Quando ingerimos água ou comida contaminada estamos expostos aos riscos de uma intoxicação alimentar. No verão, época do ano marcada pelas altas temperaturas, o risco costuma aumentar, por isso é importante ficar alerta.

A intoxicação alimentar, chamada também de gastroenterocolite aguda, é um problema de saúde resultante de uma reação à algum alimento ou água que estejam contaminados por bactéria, vírus, fungos ou toxinas.

A contaminação costuma acontecer ainda durante o preparo e manipulação do alimento, e em muitos casos principalmente no verão também ocorre durante seu armazenamento devido às altas temperaturas.

Dentre as causas da intoxicação alimentar uma das mais comuns é a bactéria chamada salmonella sp, encontrada em alimentos de origem animal que foram contaminados ao entrar em contato com fezes animais infectados. Um dos exemplos mais comuns de intoxicação por salmonella se dá ao ingerir maioneses caseiras feitas à base de ovo, um dos alimentos mais propícios a esse problema.

Além da salmonella, outras bactérias também são responsáveis pela intoxicação alimentar, entre as mais comuns estão a Escherichia coli, Staphilococus aureus e Clostridium botulinum. Dentre as citadas, os sintomas costumam aparecer em um intervalo de 6 até 72 horas depois da contaminação, porém no caso da Staphilococus aureus os sintomas aparecem de forma mais rápida, sendo de 2 a 8 horas após a ingestão do alimento.

Sintomas

Os sintomas da intoxicação alimentar costumam ser os mesmos independente da bactéria que a causou. Entre os sintomas estão náuseas, vômitos, diarreia, mal estar, febre, cólicas e em alguns casos mais extremos pode ocorrer desidratação, perda de peso e queda de pressão arterial.

Caso a intoxicação tenha sido originada pela Clostridium, bactéria responsável pela doença chamada botulismo, além dos sintomas citados acima poderá haver também indicativos de alterações neurológicas tais como, dificuldade para falar, engolir, focalizar objetos e visão dupla.

Tratamento e prevenção

Antes de iniciar o tratamento  é necessário que um profissional de saúde realize o diagnóstico. Em casos de desidratação, como quando há vômito e diarreia, é necessário repor líquidos com soro, ingerir muita água e fazer repouso. Além disso, deverá ser feita a administração de antibióticos próprios para infecções alimentares causadas por bactérias.

Para prevenir a intoxicação alimentar é necessário ficar atento na hora de comprar alimentos e cuidar de seu transporte, preparo e armazenamento. Não esqueça de lavar muito bem as mãos antes de manipular os alimentos e atenção também nos utensílios de cozinha que utilizará ao prepará-los.

Evite ingerir carne crua ou mal passada, especialmente carne de frango e porco. Antes de ingerir ovos também deve-se cozinhá-los muito bem e tomar cuidado com alimentos onde exista o ovo cru na receita, como a maionese que já mencionamos anteriormente.

Ao consumir leite também deve-se observar sua procedência e seus cuidados de armazenamento, sendo preferível que ele esteja fervido ou pasteurizado. Ao consumir verduras e hortaliças é necessário fazer sua limpeza antes do preparo para que sejam removidas todas as suas bactérias.