Falar sobre suicídio tem sido um tabu na sociedade há muito tempo, isso porque este é um assunto proibido em diversas crenças e religiões, além do fato de que muitos veem o suicida como uma pessoa "fracassada". No entanto, o mês de setembro é destinado a quebrar as barreiras do silêncio e alertar a população sobre esse gesto de autodestruição.

Mundialmente falando, a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida, enquanto que no Brasil o número de suicidas chega a 32 por dia. As causas são as mais diversas: pressão da sociedade, remorso, culpa, entre outros. Pessoas com transtornos mentais como esquizofrenia, ansiedade, depressão e até mesmo dependência química também são alvo desse problema.

Geralmente quem tira a própria vida está em busca pela paz, pois existe um desejo de colocar um fim às dores e sofrimentos. Ter pensamentos suicidas é comum da natureza humana, no entanto não é a solução como muitos imaginam.

Apesar do número alto de suicídios, felizmente muitas mortes são evitadas pela desistência, na maioria das vezes pela oferta de socorro ou ao receber uma ajuda preventiva. Essa ajuda pode vir da parte de pessoas próximas como amigos e familiares, ou até mesmo de pessoas ligadas a organizações voluntárias, como o CVV (Centro de Valorização da Vida).

Como ajudar na prevenção ao suicídio?

Pessoas com pensamentos suicidas muitas vezes precisam apenas de uma boa conversa para mudar de ideia. Geralmente essas pessoas vivem isoladas e costumam estar emocionalmente fragilizadas, portanto uma palavra de conforto nesses momentos faz toda a diferença. Sendo amigo ou familiar, é importante a aproximação e oferta de ajuda, pois isso possibilita que o indivíduo possa desabafar e colocar pensamentos ruins para fora.

As pessoas que precisam de ajuda também podem recorrer ao CVV ou programas de saúde pública que oferecem serviço em algumas regiões do país. O CVV atende via telefone, e-mail, skype, chat e ate mesmo pessoalmente. Para mais informações acesse o site do Centro de Valorização da Vida ou ligue 188.