Você costuma sentir dores na região superior do abdómen? Tem sofrido com azia, náuseas e perda de apetite com frequência? Cuidado, esses costumam ser os principais sintomas da gastrite.

Chamamos de gastrite a inflamação das paredes do estômago, geralmente causada pela Helicobacter pylory, bactéria esta que vive quase que exclusivamente no estômago humano e duodeno. Apesar disso, ainda não está claro se a doença se desenvolve com a presença da bactéria, ou se a bactéria é atraída pela doença, e além disso fatores como consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo e uso prolongado de anti-inflamatório também estão associados a causa da gastrite.

A gastrite pode ser classificada como doença crônica (quando o processo inflamatório se instala aos poucos) ou aguda (quando surge de repente), e pode vir acompanhada de azia ou queimação. Alguns fatores como estresse, ansiedade e nervosismo podem ter relação com a gastrite sendo grandes estimuladores, mas não devem ser considerados a causa dela.

Entre os sintomas da gastrite estão:

  • Sensação de queimação no estômago
  • Falta de apetite
  • Náuseas e vômitos
  • Abdómen inchado, principalmente após as refeições
  • Desconforto ou dor no estômago após as refeições ou quando fica muito tempo sem se alimentar.

Diagnóstico

O diagnóstico da gastrite se dá por meio do exame chamado endoscopia. A endoscopia é usada para identificar uma série de doenças relacionadas ao trato digestivo, entre elas o câncer de estômago. O exame dura cerca de 15 minutos e é feito com o paciente sedado para que assim possa ser introduzido o endoscópio pela sua garganta.

O endoscópio é um tubo flexível com câmera e iluminação na ponta, e a partir desse instrumento em um monitor é possível conferir imagens do aparelho digestivo do paciente em tempo real.

Tratamento

O tratamento da gastrite está associado à sua prevenção, e algumas medidas relacionadas aos hábitos alimentares podem auxiliar no alívio dos sintomas e da dor. Alimentos que possam causar irritação no estômago devem ser evitador, como é o caso do café, chocolate, refrigerante, frituras e bebidas alcoólicas. Além disso, dê preferência as frutas menos ácidas, verduras e carnes magras, e mastigue bem os alimentos antes de engolir.

Aos fumantes também fica o alerta: fumar aumenta a produção de ácido no estômago, além do fato de a nicotina interferir na absorção dos nutrientes, portanto evite cigarros.

Em casos onde a inflamação já está instalada, é provável que o médico opte pelo tratamento com antibióticos e antiácidos a fim de aliviar os sintomas. Geralmente são necessárias três semanas para que o paciente esteja recuperado.